Futebol

“Vamos torcer até a garganta doer”, diz saudita após liberação de mulheres nos estádios

Você pode nunca ter ido a um jogo de futebol. Mas imagine nunca ter ido a um jogo de futebol não porque você não tem vontade ou não tem oportunidade – mas porque você não pode. Imagine ser proibida de entrar em um estádio por lei.

Até dá para dizer que, em alguns casos no Brasil, mulheres são, de certa forma, “proibidas” de torcer ou gostar de futebol. Mas é bem diferente ser proibida na teoria e ser proibida na prática. Na Arábia Saudita, até praticamente ontem (ou melhor, até dois dias atrás), mulheres eram PRO-I-BI-DAS de entrarem em um estádio de futebol.

Essa proibição só caiu agora, em 2018, com uma medida do príncipe Mohammed bin Salman, que lançou o programa “Vision 2030” com o objetivo, entre outras coisas, de dar mais liberdade às mulheres.

Foi neste fim de semana que as sauditas tiveram a chance de, pela primeira vez, presenciar in loco uma partida de futebol.  Começou na sexta-feira no jogo entre Al-Ahli e Al-Batin e o melhor de tudo veio no sábado com o derby entre Al-Hilal e Al-Ittihad.

Os estádios tinham um setor separado para mulheres, com bares para alimentação e local para reza isolados dos homens – mas as que foram acompanhadas por homens da família podiam ficar com eles na arquibancada. Nenhuma escondeu o deslumbramento ao participar de um jogo efetivamente pela primeira vez.

“Fiquei surpresa com a forma como tudo aconteceu. Imaginei que famílias viriam, o que realmente aconteceu. Mas a quantidade de mulheres que veio, todas elas juntas em grupo, para curtir a partida é até maior do que a de famílias”, disse Siham, torcedora do Al-Ittihad, ao Arab News.

Outra torcedora não escondeu a emoção por estar vivendo esse momento.

“É um dia muito feliz. Hoje, nós estamos todas juntas. Os times nem são o foco. O foco somos nós podendo vir ao jogo. Nós vamos torcer até a garganta doer”, disse Layla.

O derby foi realmente um marco. Um senhor de mais idade foi acompanhado por 30 mulheres – suas filhas, sobrinhas, todas as torcedoras da família que até então haviam sido impedidas de viver aquela paixão.

A sensação de ir pela primeira vez ao estádio é inigualável. Mas a sensação de ir pela primeira vez ao estádio após ter passado uma vida inteira achando que esse dia nunca iria chegar deve ser indescritível. 

No jogo da sexta-feira, um torcedor do Al-Ahli se mostrou ainda mais animado com a partida. Isso porque foi a primeira vez que teve a chance de levar a irmã para o jogo.

“Nossa família toda torce para o Al-Ittihad, menos eu e minha irmã, que torcemos para o Al-Ahli”, disse. “Nós sempre tentamos ver os jogos juntos. Sempre me sentia mal de deixá-la para ver o jogo no estádio, sabendo que ela não poderia vir comigo para viver essa atmosfera. Eu sempre disse a ela: um dia isso vai acontecer. E eu fico muito feliz e orgulhoso de ver que esse dia chegou e ela pode viver essa experiência pela primeira vez”, afirmou.

Na entrada do estádio, meninas e mulheres carregando bandeiras ou cachecóis de seus times com um sorriso que não escondia a emoção que sentiam por estarem ali pela primeira vez. No derby, havia até mesmo um quadro para ser assinado por elas e marcar a presença de quem esteve ali para esse dia histórico. Pode parecer banal para quem vai ao estádio toda semana – ou que ao menos tem a possibilidade de ir -, mas para aquelas mulheres aquilo representava o início de uma nova era. Uma era em que elas poderiam viver o futebol como ele é, muito mais do que um jogo.

“Isso é maravilhoso para nós, mulheres sauditas, e tenho certeza que há mais coisas por vir. Uma sociedade mais diversa e inclusiva será a base para o progresso no projeto Vision 2030”, disse Sara J, uma das torcedoras e estudante universitária.

Nesse fim de semana, o futebol na Arábia Saudita ganhou uma nova cara, uma nova voz. Era possível ouvir na arquibancada os gritos delas, quase que de liberdade, por estarem ali pela primeira vez presenciando uma partida, comemorando um gol, sentindo a vibração que só o futebol pode proporcionar.

“Esse foi o primeiro jogo de futebol que fui na vida. E foi uma expriência incrível. Eu nunca vou me esquecer dessa noite. E não posso esperar para vir de novo na semana que vem.”

Em campo, o placar do derby entre Al-Hilal e Al-Ittihad terminou empatado em 1 a 1. Fora dele, o resultado ainda não chega a ser esse na Arábia Saudita, mas medidas como a que permitiu às mulheres frequentar os estádios, os cinemas e dirigir fazem com que o objetivo do placar de igualdade na vida real das sauditas se torne um pouco mais perto de acontecer.

Veja aqui como foi a experiência delas:

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *