Futebol Feminino

Quando a paixão pelo futebol passa de pai para filha

xandy (1)

É consenso que praticamente todo homem apaixonado por futebol sonha em um dia ter um filho para compartilhar sua paixão – no estádio, na frente da TV, no dia-a-dia, afinal. Mas quando o filho vem filhA, a história costuma ser diferente, e o pai fica esperando que o próximo seja menino para “poder” executar seu plano.

Não foi esse o caso de Alexandre Lopes de Souza, o Xandy. Quando Laís nasceu, antes de saber se era menino ou menina, ele já sabia que era Corinthians

Os uniformes já vestidos desde o berço e ela tão fácil soltava seu riso mais gostoso quando ouvia o pai cantando na sua frente “Corinthians, Corinthians”. Aprendeu o significado do gol muito antes de começar a falar – era aquele grito demorado que vinha da TV e fazia num instante o pai pular do sofá e abraçar quem estivesse na frente (inclusive ela).

Gol significava alegria. Corinthians, nem sempre. Mas os dois juntos eram a maior paixão do pai, juntamente com o riso de Laís. E ela gostava de estar com ele para presenciar esses momentos – e fazer parte deles.

“Ela começou a acompanhar em casa mesmo. Eu sempre assisto aos jogos , então ela sempre ficava comigo no sofá. Aí foi pegando gosto pela coisa. Eu ficava na sala assistindo aos jogos do Corinthians e, quando saía um gol, eu comemorava igual na arquibancada ….e ela vinha comemorar comigo”, contou Xandy às dibradoras.

Foi assim, naturalmente, que o futebol passou de pai para filha. Não foi o cromossomo, foi o amor de um para o outro – a outra, no caso.

lais_pai2
Foto: Bruno Trolo

Quando ainda não havia completado seis anos, Laís conheceu o estádio pela primeira vez. Foi em um Corinthians x Portuguesa em 2011, no lendário (e saudoso) Pacaembu. Era o primeiro jogo do ano, um clássico contra um time tradicional da cidade, e ali ela sentiu o coração pulsar pela arquibancada pela primeira vez. Como era bom comemorar um gol no estádio – foram dois naquele dia. Abraçou Xandy como nunca na comemoração, mas abraçou junto com ele um monte de gente que não conhecia.

“Na hora do gol foi uma emoção dupla. O Corinthians fazendo o gol e ela gritando, me abraçando como se soubesse o que realmente estava acontecendo naquele momento.”

Ali, começou a entender melhor a graça desse tal futebol, que fazia seu pai sofrer, sorrir e chorar, tudo junto e misturado, semanalmente. Percebeu que o estádio era um lugar de gritos, de abraços e, se tudo desse certo, de muita felicidade no final.

lais

Dali em diante, Laís nunca mais saiu da arquibancada. A paixão foi aumentando e era como se Xandy estivesse bombeando o sangue dela, que ficava cada vez mais alvinegro. Hoje, com apenas dez anos de idade, a menina já viu dois títulos Brasileiros, uma Libertadores, um Mundial e é bem provável que tenha mais um para comemorar ao final deste ano.

A dupla segue inseparável, só que agora na Arena Corinthians. “Ela prefere ir para Itaquera a ficar assistindo em casa”, confessou Xandy. Dá para dizer que puxou o pai.

E, nas arquibancadas da Arena, é difícil que Laís não seja notada. Sobre o ombro do pai, ela ergue seus braços e grita para o setor inteiro ouvir: “Corinthians joga, eu vou…ninguém vai me segurar”. Ninguém segura mesmo. A menina não perde o fôlego, nem a voz, e está quase todos os jogos em Itaquera junto com o pai para empurrar o time para mais um título.

xandy (2)

Mas futebol vai além das vitórias e derrotas. E, quando perguntamos a Laís o que ela mais aprendeu com o pai no futebol, a resposta foi surpreendente – para nós e para ele.

“Foi o respeito com o time que o outro torce, porque o adversário fica só dentro de campo”.

De todas as lições que o futebol traz – os sentimentos, a tristeza, a felicidade, a superação – o mais importante é realmente esse mesmo, que Laís aprendeu e nos ensinou. O respeito – aos torcedores, às torcedoras, e a quem estiver nele.

lais2
Foto: Bruno Trolo

“Futebol é lazer, é diversão. É o momento em que você não tem chefe, não tem  problema, em que você conversa com quem nunca viu na vida.. Independente se o Corinthians ganhar ou perder, a gente nunca vai abandonar”, disse Xandy.

Laís não é um menino, mas hoje é tão apaixonada pelo Corinthians quanto Xandy (ou até mais). Ela virou sua melhor e mais fiel companheira de estádio. Porque quem define a paixão pelo futebol não é o gênero – somos nós mesmos.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *