Futebol Feminino

Marta é a maior artilheira das Copas, mas Brasil segue sem nenhum título mundial

A participação brasileira na sétima edição da Copa do Mundo Feminina acabou no dia 21 de julho, diante da Austrália, nas oitavas de final do torneio. Apesar dos recordes individuais conquistados por Marta e Formiga ainda na fase de grupos, a derrota por 1×0 levou as meninas do Brasil a darem adeus – mais uma vez – ao sonho jamais alcançado: a conquista do Mundial.

Brasil_AUS_ Foto FIFA_Getty Images

A seleção brasileira estava no grupo E da competição e, de maneira invicta, passou pela primeira fase vencendo a Coreia do Sul por 2×0 na estreia, e despachando a Espanha e a debutante Costa Rica com placares magros, de 1×0. O time comandado pelo técnico Vadão penou para vencer as espanholas e as costarriquenhas, deixando claro que a equipe ainda tinha um longo caminho a percorrer no quesito tático e técnico se quisesse estender sua jornada no Canadá.

O grupo relativamente fácil deu certo trabalho para as brasileiras e, na fase eliminatória, logo no primeiro desafio, o golpe fatal foi inevitável. Diante de uma Austrália abusando da força física e com o gramado sintético molhado da chuva, o jogo das brasileiras foi apático e pouco criativo. As adversárias entraram em campo sem favoritismo e em uma das poucas chances criadas, fizeram o gol. Aos 32 minutos do segundo tempo, as australianas encaixaram um contra-ataque e marcaram após rebote da goleira Luciana na frente da atacante Simon.

A torcida brasileira esperava mais da seleção e também da craque Marta, que marcou seu único gol no torneio de pênati, contra a Coréia, somando assim, 15 gols em Mundiais. Com essa marca, a brasileira se tornou a maior artilheira em Copas do Mundo, igualando o feito de Ronaldo Fenômeno entre os homens.

Se Marta estava muito bem marcada pelas adversárias e com dificuldade para criar boas jogadas individuais, a meia Formiga foi o destaque do Brasil nessa Copa. A jogadora de 37 anos marcou o primeiro gol brasileiro no Mundial e ainda sofreu o pênalti para que Marta pudesse atingir seu recorde. Com o gol marcado, Formiga se tornou a jogadora mais velha a marcar gol em Mundiais.

Com 20 anos de seleção brasileira, Formiga recebeu o prêmio de melhor jogadora da partida contra a Coreia e fez uma ótima competição com disposição ímpar e atuando em diversos setores do time. É uma pena saber que Formiga se despede de sua última Copa do Mundo sem, ao menos, ter conquistado um título. Esse objetivo ficará a cargo da nova geração que ainda está se formando e, de maneira inédita, contando com o apoio e investimento da CBF na chamada “Seleção Permanente”.

Elsa_Getty Images_AFP

Os próximos desafios do Brasil serão durante os Jogos Panamericanos, em partidas contra a já conhecida Costa Rica (11 de julho), Equador (15 de julho) e, por fim, enfrentando as canadenses, donas da casa, no dia 19 de julho. Marta não participará do Pan e o Brasil luta pelo terceiro ouro na competição.