Futebol Feminino

Mais do que medalha, a seleção feminina tem história: conheça 5 recordes das mulheres no futebol

O futebol feminino tem histórico recente no Brasil. Registra-se que ele chegou por aqui na década de 20 e seguiu pelos anos 30 e 40 praticado apenas como lazer, em eventos beneficentes e espetáculos que atraíam grande quantidade de público. Em 1941, o então presidente Getúlio Vargas proibiu a prática de alguns esportes para as mulheres, dentre eles, o futebol. O impedimento seguiu com o golpe militar de 1964 e somente nos anos 80 é que a pratica foi reconhecida oficialmente.

foto177905

O preconceito e a proibição atrasaram a evolução do futebol feminino no Brasil que ainda sofre com a falta de apoio, investimento, visibilidade e desenvolvimento. Grandes clubes não investem na modalidade alegando não haver retorno, patrocinadores não investem dinheiro alegando não haver visibilidade, o público não assiste às partidas porque não há exposição e assim, nessa toada, o esporte não cresce.

Mas nem por isso elas deixaram de se doar em campo e batalhar por títulos e vitórias dentro de campo. Confira cinco recordes que só o futebol feminino tem:

Formiga, única mulher brasileira a disputar 6 ciclos olímpicos

formiga-comemora-gol-1468017212299_v2_956x500

Meio-campista da seleção feminina de futebol, Formiga defende a equipe desde a estreia da modalidade nos Jogos Olímpicos, em Atlanta 1996 (é a única jogadora de futebol com essa marca). Se despedirá da seleção no final do ano, após atingir a marca de 6 olimpíadas disputadas ao longo da carreira.

Ao longo destas participações, Formiga fez três gols: dois deles na goleada por 5 a 0 sobre o México, em partida válida pelas quartas de final das Olimpíadas de Atenas 2004, e o outro na vitória por 4 a 1 sobre a Alemanha, que classificou a seleção para a final em Pequim 2008.

A jogadora já conquistou duas medalhas de prata, em Atenas (2004) e Pequim (2008). Na próxima sexta-feira (19) pode conquistar sua terceira medalha olímpica se vencer a seleção canadense, na disputa pelo bronze.

Há 20 anos defendendo o Brasil, além de Formiga, somente dois atletas tem o mesmo feito: o espanhol Manuel Estiarte, do polo aquático, e a russa Evgeniya Artamonova Estes, do vôlei.

Marta, eleita por cinco vezes consecutivas eleita pela FIFA como melhor jogadora do mundo

marta-melhordomundo-5

De 2006 a 2010, o mundo foi dela! Craque da seleção brasileira, campeã europeia, ídolo na Suécia, nos Estados Unidos e eleita cinco vezes pela Fifa a melhor jogadora do mundo. Entre 2004 e 2014, ela sempre foi eleita pela Fifa como uma das melhores do mundo, feito jamais alcançado por outra atleta.

Lionel Messi igualou o feito de Marta somente no ano passado (2015) quando foi premiado com sua quinta bola de ouro da carreira.

Marta como maior artilheira da seleção brasileira

Dá pra imaginar que uma mulher é a dona da artilharia da seleção brasileira? Mesmo com as proibições, falta de apoio e espaço ao futebol feminino, Marta superou todas as marcas já atingidas, inclusive pelo Rei Pelé.

No final de 2015, a jogadora ultrapassou o maior de todos os tempos (Pelé marcou 95 gols pela seleção) e se isolou na artilharia brasileira, hoje com 101 gols marcados.

Marta maior artilheira da Copa do mundo

Nossa camisa 10 também é goleadora histórica em Copas do Mundo. Com 15 gols anotados, ela tem o título isolado de maior artilheira da história da competição feminina – superando a craque alemã Birgit Prinz.
Entre os homens, Ronaldo possuiu a mesma marca e é o segundo maior, atrás do alemão Klose, que fez 16.

Cristiane como maior artilheira da história dos Jogos Olímpicos

CVIthRrUAAAMPVA

Com quatro participações olímpicas, a atacante Cristiane cravou seu nome na história olímpica ao atingir a marca de 14 gols nesta edição realizada no Rio de Janeiro. Ao marcar o 13º tento, contra a China, Cris ultrapassou o húngaro Ference Bene (que marcou 12 gols nos Jogos de 1964) e se tornou a maior artilheira olímpica do futebol, entre homens e mulheres.

A jogadora defende a seleção brasileira desde os 15 anos, quando foi convocada para defender as categorias de base. Ou seja, metade de sua vida foi dedicada a representar o seu país. Neste período, conquistou, além de duas pratas olímpicas, o ouro nos Jogos Pan-americanos Rio 2007 e Toronto 2015 e o vice-campeonato mundial em 2007.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *